GUIA COMPLETO: Contribuinte Facultativo do INSS

Você sabia que quem não exerce atividade remunerada pode ser segurado do INSS e ter direito aos benefícios previdenciários? Sim, é possível. É o chamado SEGURADO FACULTATIVO ou CONTRIBUINTE FACULTATIVO.

O que você vai encontrar neste post:

  • definição e requisitos
  • prazo para pagamento das contribuições
  • qual o prazo de carência para ter acesso aos benefícios do INSS
  • alíquotas
  • dicas valiosas

DEFINIÇÃO E REQUISITOS:

A primeira informação importante é que a definição de contribuinte facultativo ocorre por exclusão, ou seja, só é facultativo aquele que não é contribuinte obrigatório do INSS.

Os contribuintes obrigatórios, de forma bem simplificada, são aqueles que exercem atividade remunerada, portanto, dizemos que o facultativo é aquele que faz recolhimentos para o INSS sem possuir atividade remunerada, ex: estudantes, dono(a)s de casa, desempregados, etc.

O segundo requisito é possuir mais de 16 anos e o terceiro é fazer uma contribuição ao INSS em dia.

PRAZO PARA PAGAMENTO:

O prazo para pagamento da guia, pelo facultativo, é sempre o 15º dia de cada mês. O recolhimento pode ser mensal (utilizando-se o código 1406) ou trimestral (utilizando-se o código 1457).

CARÊNCIA E QUALIDADE DE SEGURADO:

Diferentemente do segurado empregado, a carência para o facultativo começa a ser contada a partir do primeiro recolhimento (em dia) de contribuição previdenciária.

Os prazos de carência são os mesmos para os demais segurados. Para quem tiver curiosidade, os prazos estão nos artigos 29 e 30 do Decreto 3048/99 (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3048.htm) e sobre este assunto falaremos em breve aqui no blog.

ALÍQUOTAS:

  • 20% (plano normal):

Quem recolhe a alíquota de 20% tem direito a:

  1. aposentadoria por tempo de contribuição;
  2. aposentadoria por idade
  3. aposentadoria por invalidez
  4. auxílio-doença
  5. auxílio-reclusão
  6. salário-maternidade
  • 11% (plano simplificado):

Existe a possibilidade de se utilizar a alíquota de 11%, o chamado “plano simplificado”. O lado negativo, é que neste caso não haverá direito à aposentadoria por tempo de contribuição. O direito aos demais benefícios acima indicados ficam mantidos.

O Código de recolhimento que deve constar da guia é 1473 (para recolhimento mensal) ou 1490 (para recolhimento trimestral).

  • 5% (alíquota de baixa renda):

Para ter direito a recolher nesta alíquota, a pessoa deve atender aos seguintes requisitos ADICIONAIS:

1. dedicar-se ao trabalho doméstico, na própria residência;

2. ter renda familiar de ATÉ dois salários mínimos (auxílios assistenciais de natureza eventual e temporária e valores oriundos de programas sociais de transferência de renda não contam para o cálculo); e

3. estar inscrito no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais).

Nesta alíquota, há o direito a todos os benefícios para quem recolhe a alíquota de 20%, EXCETO a aposentadoria por tempo de contribuição. Os benefícios terão o valor de um salário mínimo.

As contribuições realizadas com a alíquota de 5% geralmente não são validadas pelo INSS automaticamente. Assim, a validação deve ser solicitada no Portal “Meu INSS“, através do serviço: “Validação Facultativo Baixa Renda”

O Código de recolhimento que deve constar da guia é 1929 (para recolhimento mensal) e 1937 (para recolhimento trimestral).

TABELA DOS VALORES DAS CONTRIBUIÇÕES:

A tabela acima foi extraída do site https://www.gov.br/inss/pt-br/saiba-mais/seus-direitos-e-deveres/calculo-da-guia-da-previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/tabela-de-contribuicao-mensal e ainda não está atualizada para 2021.

DICAS VALIOSAS:

  • Não deixe ocorrer atraso nos pagamentos por mais de 6 meses. Quando isto ocorre, há a perda da qualidade de segurado e, consequentemente, do acesso aos benefícios do INSS.
  • Não faça recolhimentos retroativos à data de sua INSCRIÇÃO como facultativo. Como dissemos, a condição de segurado facultativo depende do primeiro recolhimento em dia da contribuição previdenciária. Fazer pagamentos para períodos anteriores à data da inscrição não vai ocasionar a contagem desses períodos para fins de recebimento de benefícios previdenciários. Recolhimentos retroativos apenas podem ocorrer para períodos POSTERIORES à data da inscrição e desde que não se tenha perdido a qualidade de segurado (ou seja, no máximo 6 meses).
  • Se você recebe alguma remuneração, se é contribuinte de algum regime próprio de previdência, não faça recolhimentos como facultativo. Somente é considerado facultativo quem não possui renda.
  • Apenas quem paga sobre o valor do salário mínimo pode fazer pagamentos trimestrais.
  • As alíquotas de 11% e 5% somente incidem sobre o salário mínimo. Se você pretende receber um benefício de valor superior, deve utilizar a alíquota de 20%.
  • As pessoas que recolhem as alíquotas de 11% e 5%, se quiserem obter CTC (Certidão de Tempo de Contribuição) e Aposentadoria por Tempo de Contribuição, deverão fazer o recolhimento da diferença para a alíquota de 20%, acrescida de juros (Selic).
  • Mesmo com a reforma da previdência é possível fazer a inscrição como contribuinte facultativo, seguindo-se os mesmos requisitos já falados neste post.

Espero que este post tenha te ajudado.

Até breve!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: